Por que fazer um projeto para a sua clínica ou hospital vet?

Por que fazer um projeto para a sua clínica ou hospital vet?

Olá,

Não raras vezes, uma clínica veterinária funciona em um espaço adaptado. Devido às exigências técnicas e legais para o seu funcionamento e da complexidade da atividade, investir em um projeto arquitetônico planejado pode garantir um melhor aproveitamento, além de aumentar a percepção de valor pelo cliente.

Para falar sobre os benefícios de um projeto arquitetônico especializado em clínicas veterinárias, convidamos Renato Couto Moraes, Médico Veterinário (Mestre e Doutor), e também, Engenheiro Civil, que atua como Gerente de Projetos da Ambiente Pet, empresa especializada em engenharia e arquitetura para ambientes pet. Ele será o entrevistado do nosso próximo Webinar, juntamente com a especialista Mariana Assumpção, no dia 26, às 15h.

Neste artigo, destacamos pontos relevantes a respeito dos principais benefícios de investir em um projeto de arquitetura hospitalar para seu estabelecimento de saúde animal. Confira abaixo:


Características de um bom Projeto Arquitetônico

Um bom projeto arquitetônico permite melhor aproveitamento dos espaços e layout atrativo aos clientes com mobiliários adequados, corretamente dimensionados e bem posicionados, o que garante um valor agregado maior aos serviços oferecidos.

“A arquitetura hospitalar veterinária possui algumas características físicas muito peculiares. Por exemplo, o parâmetro de dimensionamento de uma recepção não é o mesmo de um consultório odontológico, pois numa clínica veterinária será recebido o tutor e seu pet. Outro exemplo, o aspecto de contiguidade muitas vezes negligenciado por projetos não especializados. Uma sala de recuperação anestésica deve estar próxima de uma sala de cirurgia. É preciso alocar os ambientes de áreas afins próximos, tal como área de apoio, técnica e assistencial”, diz Moraes.

Outro aspecto que deve ser pensado num projeto arquitetônico, segundo o especialista, é a expansão da clínica. “Se a clínica faz, em média, 60 cirurgias por mês, no futuro, ela poderá fazer 90. E isso deve ser pensando antes. Não precisa construir a área, mas precisa prever. O custo é menor ao prever no projeto do que no futuro fazer improvisos”, explica.

Uma dica dada pelo especialista é colocar a planta da clínica num quadro na recepção para que os clientes saibam de todos os ambientes e seus respectivos serviços, além de placa com boa comunicação visual sobre os serviços oferecidos.


Segurança jurídica

Nada vale executar um projeto arquitetônico com alto impacto decorativo sem que tenha atendimento às leis.

Para que todos os estabelecimentos de saúde tenham de fato uma Arquitetura Hospitalar minimamente adequada, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) obriga os estabelecimentos de saúde, onde a Medicina Veterinária faz parte, a cumprirem uma complexa resolução, chamada de Resolução RDC nº 50.

Contudo, essa é apenas uma diretriz mínima de projeto, uma vez que uma série de outras normas e soluções de projeto são realizadas na elaboração de um ambiente veterinário hospitalar. Tal resolução não engloba todas as necessidades de projeto da área de medicina veterinária, porém apresenta obrigações comuns e orientações úteis para projetar sua edificação ou adaptá-la.

Ainda, resoluções do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) e Regional (CRMV) determinam elementos para cada tipo de estabelecimento, do ambulatório ao hospital.

Muitas dessas regras envolvem aspectos construtivos e arquitetônicos. Ou seja, para não correr riscos de multa ou interdição, antes de construir ou reformar uma clínica veterinária, é preciso ficar atento à legislação.

“Com um bom projeto arquitetônico em mãos, o Médico Veterinário tem a certeza de que não corre risco de multa ou interdição por fiscalização in loco, sobretudo por denúncia, ao Conselho ou Vigilância Sanitária. Portanto, ter um ambiente tecnicamente qualificado dá segurança jurídica. A interdição de um estabelecimento é um marketing negativo extremamente grande, podendo ser fatal ao negócio”, afirma o especialista Renato Couto Moraes.

Ao prever o deslocamento das diferentes equipes (administrativa e clínica) em planta arquitetônica, essa pode ser integrada ao PPRA (Programa de Prevenção de Riscos e Acidentes), o que traz segurança jurídica em eventuais processos trabalhistas.


Biossegurança

A arquitetura contribui com a biossegurança, ao permitir um fluxo racional (sem conflitos) de tutores, da equipe administrativa e da equipe clínica, além de insumos e resíduos. Portanto, contribui no controle de infecções hospitalares.

“É possível prever na planta por onde chegarão as matérias-primas, vacinas e medicamentos, bem como, por onde sairão os resíduos. Assim, fica tudo disciplinado, isto é, sem conflito de fluxo, o que é muito importante na análise da Vigilância Sanitária”, afirma Moraes.

 

Pet friendly

“Vivemos a área da experiência de compra, assim tudo deve ser entendido como mais do que uma simples venda. Nesse aspecto, vender os serviços veterinários com experiência de compra passa por ter um ambiente pet friendly”, destaca Renato.

Simplificadamente, um ambiente pet friendly pode ser definido como aquele que apresenta técnicas construtivas e equipamentos apropriados ao enriquecimento ambiental, sendo previsto uso compartilhado entre humanos e animais com higiene, conforto, bem-estar e segurança de animais e pessoas.

Afirma o especialista: “ofereça uma recepção aconchegante com café e água, mesmo que pequena, mas adote o conceito de ambiente pet friendly oferecendo uma cama elevada (ou suspensa) em tecido higienizável e água em bebedouro baixo, aplique esse conceito em todo seu estabelecimento”.

Dessa forma, a sensação dos tutores desde o atendimento inicial na recepção será de fato positivamente diferente.

 

Projetos

Cumpre lembrar que, erros de projeto arquitetônico podem recair sobre o Responsável Técnico. Um projeto arquitetônico feito por escritório especializado para seu ramo de atividades é a certeza de aprovação pelos diferentes órgãos competentes e uma grande diferenciação do seu negócio com elementos decorativos e de identidade visual compatíveis, além de pet friendly.

Já os diversos projetos de engenharia (luminotécnico, elétrico, hidrossanitário, climatização e outros), trazem uma série de benefícios, tais como:
– Luminosidade como diferencial: luzes focadas e difusas bem posicionadas;
– Segurança das instalações: minimizando o risco de incêndio por curto circuito, por exemplo;
– Prever intervenções futuras: por exemplo, no caso de necessitar furar um cano ou conter vazamentos;
– Aplicação dos materiais com melhor custo-benefício;
– Menor desperdício de materiais;
– Impedir furto de materiais nas obras;
– Menor valor para seguro patrimonial.

“Um ambiente de saúde animal deve ter uma Arquitetura especializada e específica adaptada às suas condições particulares desde as espécies animais atendidas até os tipos de serviços empregados para garantir os quesitos de proteção, promoção e recuperação da saúde, além de conforto e bem-estar animal. E não se esqueça, a arquitetura deve comunicar valor ao cliente”, afirma Renato Couto Moraes.

 

Esperamos que esse conteúdo tenha sido relevante para você aprimorar seus negócios e aperfeiçoar seu atendimento. Vamos juntos transformar o mercado veterinário.

Até mais,

Bio Brasil
#Vet2vet