Para ter uma clínica vet de sucesso prepare-se para estes 6 desafios

Para ter uma clínica vet de sucesso prepare-se para estes 6 desafios

Ao montar a própria clínica, muitos veterinários são surpreendidos com rotinas e questões burocráticas para as quais não foram preparados na faculdade. A gestão financeira e administrativa é uma delas. Além de tomar tempo, é essencial para que a clínica tenha uma boa saúde financeira. Num mercado concorrido, investir em diferenciais e serviços de qualidade contribui para que o veterinário empreendedor se destaque da concorrência e atraia tutores preocupados com a saúde e o bem-estar de seus pets.

Para falar um pouco sobre os principais desafios de uma clínica veterinária, convidamos a Dra. Selma Aparecida Barbosa Noninho, proprietária da clínica Casa de Bicho em Pontes e Lacerda, no interior do Mato Grosso.

A Dra. Selma nos contou como superou as dificuldades encontradas ao longo da jornada de veterinária empreendedora.

 

Prepare-se para os dois primeiros anos

Um terço das novas empresas no Brasil acaba fechando em dois anos, de acordo com o estudo Sobrevivência das Empresas no Brasil, realizado pela Fundação Getulio Vargas em parceria com o Sebrae. Entre as principais dificuldades para se estabelecer nos seus primeiros anos de vida estão não dominar aspectos financeiros básicos para gerir seu caixa e a falta de capital.

Depois de se formar em 2006, a Dra. Selma Aparecida Barbosa Noninho passou três anos fazendo estágios e residência em clínicas e hospitais veterinários em Cuiabá (MT) antes de investir em sua própria clínica, a Casa de Bicho, em Pontes e Lacerda, no interior do Mato Grosso. Ela e o marido, Artur Eduardo Noninho, fizeram pesquisa de mercado e cursos de gestão antes de inaugurar a clínica em dezembro de 2010. “Achava que estava tecnicamente pronta, mas, quando abrimos a clínica, descobri que havia uma longa jornada pela frente. Não tinha noção de que precisava estar capitalizada. Se não tivesse uma estrutura fora, de outro negócio, tinha quebrado. Foram dois anos colocando dinheiro na clínica”, conta.

 

Encontrar o ponto de equilíbrio é o mais difícil

Encontrar o ponto de equilíbrio econômico-financeiro, quando as receitas (entradas de recursos) são suficientes para cobrir os custos fixos (custos que a empresa tem todos os meses) e variáveis (eventuais), é importante para que a clínica passe a ser autossustentável. Muitas vezes, é necessário contar com a ajuda de uma assessoria ou profissional especializado. “O mais difícil foi conseguir atingir o ponto de equilíbrio econômico-financeiro e isso só aconteceu com a assessoria do Sebrae, quando foram apontados as falhas, os pontos de atenção e o panorama. Isso não aconteceu da noite para o dia. E foi necessário fazer bastante investimento”, lembra Selma.

Para organizar melhor a gestão administrativa e técnica da clínica, Selma e o marido, que também é veterinário, decidiram se dividir. Ela passou a cuidar do dia a dia da clínica em si, enquanto ele assumiu a parte administrativa e financeira. “É muito complicado a mesma pessoa sentar na cadeira de técnico e gestor. Se tiver alguém que possa fazer a parte de gestor, o negócio anda mais rápido. Com o tempo, os resultados foram surgindo naturalmente”, conta.

 

Formar equipe de alta performance é um dos principais desafios

Ter uma equipe diferenciada e focada, além de aumentar a produtividade, faz a diferença na conquista e manutenção de clientes. Para criar uma equipe de alta performance é preciso incentivar os colaboradores, oferecendo cursos de capacitação e treinamentos em atendimento e em suas áreas de especialização.

Na Casa de Bicho, Selma apostou em parcerias com distribuidores e fornecedores para formar profissionais qualificados. Hoje a clínica conta com dez colaboradores na parte administrativa, recepção, banho e tosa, táxi-dog e auxiliar veterinário. “Para uma clínica funcionar é preciso uma equipe com muita qualificação. Eu invisto muito em treinamento e a minha clínica acaba funcionando como uma vitrine. Quando um funcionário sai, começo tudo de novo”, conta.

 

Se diferenciar para driblar a concorrência desleal

O aumento de clínicas e hospitais veterinários faz crescer a concorrência no setor naturalmente. Muitas vezes, para atrair clientes, algumas clínicas acabam reduzindo o atendimento a preços mínimos e serviços com qualidade duvidosa. Para minimizar os efeitos da concorrência desleal, a clínica veterinária precisa investir em diferenciais e mostrar ao consumidor seus diferenciais e vantagens em relação aos demais concorrentes.

Quando montou sua clínica, em 2010, só havia mais uma em Pontes e Lacerda. Com cerca de 60 mil habitantes, hoje a cidade tem nove clínicas. “Ter uma concorrência desleal com preços baixos e serviços sem qualificação é um dos maiores desafios que enfrento hoje em dia. Algumas até colocaram o nome parecido com o nosso para confundir o consumidor. O pior é que num momento de crise, como o que estamos passando, às vezes, até o cliente fiel acaba migrando”, conta Selma.

Para tentar minimizar as práticas da concorrência desleal, Selma buscou se diferenciar, aumentando o treinamento de sua equipe e contratando uma empresa de comunicação focada em redes sociais para fazer uma campanha que mostre percepção de valor. “Faço um trabalho diferenciado e o consumidor precisa entender que ele está pagando mais para ter um serviço de qualidade e segurança”, diz.

 

Tenha o controle financeiro nas mãos

Num mercado em que a concorrência utiliza preços abaixo do mercado para atrair clientes de outros estabelecimentos, estabelecer preços adequados para seus produtos e serviços é importante para garantir a saúde financeira da sua clínica, ter recursos para investir em equipamentos novos e também para manter os clientes. Esse cálculo deve levar em conta todas as despesas, fixas ou variáveis, os investimentos feitos e a projeção de lucros.

Conhecer os custos para que um serviço funcione também contribui para um melhor retorno financeiro. “Quero conhecer o custo que tenho em cada área da clínica – consultório, centro cirúrgico, laboratório, banho e tosa e pet shop – e ter o controle financeiro na minha mão, inclusive para melhorar o preço. A minha clínica tem bastante equipamento, tanto que outros veterinários precisam fazer parceria comigo para fazer o diagnóstico, quando precisam de exames. Preciso saber qual é o custo que tenho e quanto estou ganhando com cada serviço”, diz.

 

Antecipe as necessidades dos clientes para mantê-los fiéis

Além de um atendimento diferenciado, para fidelizar o cliente é preciso conhecê-lo. Ao prever as suas necessidades é possível desenvolver ações segmentadas, oferecer pacotes diferenciados e antecipar soluções para seus pets.

Durante as consultas e exames clínicos, Selma percebeu que muitos pets tinham problemas odontológicos e decidiu se especializar. “Como os animais estão mais próximos de seus tutores, eles querem melhorias e longevidade para eles. E a saúde começa pela boca. Fiz um curso e há cerca de um ano passei a oferecer serviço de odontologia”, conta. O serviço aumentou a frequência na clínica e trouxe novos clientes.

Esperamos que as dicas dadas por nossa parceira tenham contribuído para ajudar a enfrentar os principais desafios no dia a dia de sua clínica.

Vamos juntos transformar o mercado veterinário.

Até mais,

Bio Brasil
#vet2vet