O futuro do mercado de clínica médica veterinária

O futuro do mercado de clínica médica veterinária

Cada vez mais, os animais de estimação passaram a viver dentro das casas e ganharam status de membros da família. Essa mudança de comportamento dos tutores fez o mercado veterinário seguir na contramão da crise econômica dos últimos anos, com aumento de 4,9% no faturamento em 2017, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (ABINPET).

Com mais de 132,4 milhões de animais de estimação, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a tendência é que o mercado veterinário continue em alta nos próximos anos. Para falar sobre o futuro do mercado, convidamos Silvio Piotto, médico veterinário, mestre em patologia respiratória e sócio-fundador do IBVET, e Sérgio Lobato, médico veterinário e consultor, com pós-graduação em marketing e estratégia pela Universidade Estácio de Sá.

A seguir, eles contam quais as tendências do mercado veterinário nos próximos anos e dão dicas de como aproveitar esse momento.

Clientes mais conscientes e mudança no perfil do veterinário

Com mais acesso a informação, os tutores estão mais exigentes em relação à qualidade de produtos, serviços e atendimento. Eles querem que seus pets recebam tratamento com a mesma qualidade que procuram para si mesmos e estão dispostos a pagar por isso. Essa mudança de comportamento impacta também na relação entre veterinários e tutores, que se tornou mais próxima e direta.

“O acesso mais fácil a informações faz com que o tutor se torne exigente e, ao mesmo tempo, tome consciência de investir nas tecnologias disponíveis. Ele tem tratado cada vez mais o seu animal de maneira consciente e cuidadosa, gerando demanda para toda a cadeia produtiva, desde a mão de obra do veterinário até equipamentos, remédios, rações e vacinas. Ao mesmo tempo, com a extrema disponibilidade de tecnologia, que facilita muito o diagnóstico, o veterinário passou a exercer uma visão mais humanista, com relação direta e pessoal com o paciente”, afirma Silvio Piotto.

Especialização será cada vez mais exigida

Devido à formação generalista e ao amplo campo de atuação dos médicos veterinários, a busca por uma qualificação diferenciada é uma tendência que deve continuar a crescer nos próximos anos, seja através da pós-graduação, residência médica, mestrado ou doutorado. A especialização veterinária, que hoje é vista como um diferencial, num futuro próximo será praticamente uma exigência do mercado.

“Nos próximos 10 anos, ter especialização será praticamente uma obrigação para quem quiser entrar no mercado. Entre as especialidades que acho que vão despontar nos próximos anos está a cirurgia minimamente invasiva”, acredita Silvio.

“O veterinário precisa sair fora da caixa e olhar para o mercado fora da clínica, participando de congressos e se especializando”, diz Sérgio Lobato.

Conhecimento em gestão impulsiona o mercado

Estar à frente de uma clínica exige muito mais do que conhecimentos técnicos e bom atendimento. Se empenhar em assuntos como gestão de empresas e de pessoas, administração, marketing e matemática financeira será cada vez mais importante para se manter nesse competitivo mercado.

“O veterinário precisa entender que a clínica é um negócio, uma empresa, e buscar se diferenciar através de um atendimento de excelência, com treinamento da equipe de frente e investindo na sua qualificação técnica”, afirma Lobato.

“Uma situação bem interessante é que os veterinários hoje estão sendo formados na área de ciências humanas. Assuntos que antes eram tabus para o veterinário, como gestão, marketing, administração e direito tributário, são corriqueiros nas conversas e nos congressos. Isso está impulsionando um pouco mais rápido a veterinária”, diz Piotto.

Uso da tecnologia será popularizado

O uso da tecnologia no dia a dia das clínicas possibilita avanços nos diagnósticos, na eficiência dos serviços e no conforto dos pets, assim como no relacionamento com os tutores. Além de melhor qualidade no diagnóstico e tratamento, o uso de tecnologia é capaz de aumentar a geração de serviços e de receitas. As inovações e o surgimento de novas tecnologias devem atrair investidores e se popularizar num futuro próximo.

“A tecnologia deve avançar para o campo da diminuição, tanto do tamanho quanto dos valores dos equipamentos. Num futuro próximo, tecnologias ultra-avançadas entrarão no mercado, tornando mais portátil e transportável equipamentos como ressonância. Cientistas mais apocalípticos dizem que em 30 anos será possível fazer medições sanguíneas, ultrassom e ressonância no próprio celular. Pode parecer surreal, mas se olharmos a tecnologia de hoje vista pelos nossos pais ou avós era também surreal”, diz Piotto.

“A tecnologia deve avançar tanto no suporte de diagnóstico veterinário como no controle e gerenciamento da clientela, com acesso aos clientes por meio de sites e blogs. No campo de exames e diagnósticos, acredito que vai haver uma democratização do acesso, com o aporte de novas empresas e uma maior competição no mercado”, analisa Lobato.

Sustentabilidade nas clínicas

A realização de procedimentos médicos e de higiene de cães e gatos exige um alto consumo de água e de energia elétrica. Adotar práticas de consumo consciente de recursos naturais, além de gerar boa imagem e conquistar consumidores preocupados com o meio ambiente, pode representar uma redução de custos significativa.

“A sustentabilidade ainda não chegou ao setor veterinário especificamente, mas como as pessoas estão adquirindo um grau cada vez maior de sustentabilidade, essa é uma tendência que não tem volta. Acredito que daqui a 10 anos essa vai ser uma realidade marcante na indústria e na clínica médica veterinária”, acredita Lobato.

 

Aumento de clínicas e grandes redes

Com os avanços da medicina veterinária e o maior cuidado por parte dos tutores, incluindo consultas de rotina, checkups e tratamentos especializados, a expectativa de vida dos animais de estimação está em ascensão. E o setor de saúde animal é um dos que mais crescem. Com o aumento de novas clínicas, hospitais e consultórios, para se diferenciar, o veterinário precisa ir além do bom atendimento.

“O aumento de clínicas de pequenos ??? é natural e acontece no mundo todo. A concorrência é inevitável e um dos pontos vitais para diferenciação, além da qualidade de serviço e uma boa apresentação, é uma análise madura sobre o posicionamento estratégico que dará para a clínica. Ele deverá seguir a faixa de clientes que tem que atender naquele mercado. Além disso, é preciso ir além da veterinária e ter atendimento personalizado do cliente, bom posicionamento de marketing, boa escolha do local”, analisa Lobato.

Além do maior número de clínicas, outra tendência, que já começa a ser vista por aqui, é a chegada de grandes de redes de clínicas e hospitais, comum em países europeus e nos Estados Unidos.

“O mercado brasileiro é um dos maiores do mundo e vai atrair tanto investidores brasileiros como estrangeiros. Isso não quer dizer que não haverá espaço para os pequenos e médios consultórios. Sempre há um choque, mas isso pode ser visto como uma oportunidade. Existem nichos diferentes e há espaço para o atendimento personalizado. Temos muitas lojas que não foram impactadas com a chegada de grandes redes de pet shop, por exemplo”, diz Lobato.

Oferta de planos de saúde vai aumentar

Com os avanços tecnológicos e tratamentos especializados, a medicina veterinária está mais cara e pode impactar no orçamento familiar no caso de uma emergência, por exemplo. A oferta de planos de saúde pet, que já é feita por algumas clínicas e empresas, deve crescer ainda mais nos próximos anos

“Os planos de saúde já existem, mas vai haver uma transformação nesse mercado, com a chegada de seguradoras e planos de saúde, com vários formatos de planos. Essa é uma oportunidade de investimento e as clínicas vão ter os próprios planos e aceitar outros convênios”, acredita Lobato.

Esperamos que as dicas dadas por nossos parceiros ajudem a preparar sua clínica para o futuro. Se pretende investir em tecnologia e inovação, oferecemos nossa linha de analisadores de bioquímicos automáticos. Rápidos e fáceis de usar, você economiza em cada exame, aumenta sua margem de lucra e leva comodidade para seu cliente final.

Vamos juntos transformar o mercado veterinário.

Até mais,

Bio Brasil
#vet2vet