Fim dos testes em animais

Fim dos testes em animais

O tema foi debatido em dezembro de 2015, na Conferência Científica organizada pelo Fórum de Proteção e Defesa Animal da cidade de São Paulo, na Câmara Municipal, de SP. A iniciativa é do vereador Eliseu Gabriel (PSB).

O objetivo do evento era promover a discussão e acelerar as mudanças necessárias para que tenhamos uma ciência, que realmente possa ser ética respeitando de forma profunda os animais.

Durante a programação foram apresentados diversos casos de sucesso do não uso de animais, bem como as dificuldades encontradas por pesquisadores que buscam eliminar a prática no universo das pesquisas científicas.

A pesquisadora, doutoranda em biotecnologia pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), Bianca Marigliani, esteve presente na Conferência. Ela ganhou o prêmio Lush, a maior premiação internacional para iniciativas alternativas aos testes em animais.

Marigliani, foi escolhida na categoria jovem pesquisador e ganhou 10 mil libras para estudar um novo tipo de método in vitro, totalmente sem uso de animais no processo, para avaliar o risco de alergia provocado por agentes químicos.

Ela trabalha para adaptar células a um meio de cultivo sintético, ou seja, sem soro bovino fetal. A maioria dos testes in vitro usa pelo menos este elemento de origem animal, tirado do sangue de fetos vivos por punção cardíaca sem anestesia algo considerado cruel. Segundo ela, até 2 milhões de fetos bovinos são usados por ano para obter o soro.

Confira o vídeo e saiba mais sobre o que aconteceu na Conferência Científica organizada pelo Fórum de Proteção e Defesa Animal da cidade de São Paulo.

https://www.youtube.com/watch?v=lWNS3SRLnow